Enem – Portal NE10

publicidade
08/fev
GGE 1

Plano de estudos é estratégia de sucesso para alunos; veja dicas e elabore o seu

Publicado por Tatiana Notaro em Patrocinada às 9:40

Fazer um plano de estudo não é apenas distribuir o tempo entre os assuntos que precisam ser vistos ou revistos, mas mesclar, de forma equilibrada, os conteúdos a serem aprendidos, o descanso, o lazer e a alimentação. Usar o tempo disponível com inteligência é estratégico para alcançar resultados e manter a qualidade de vida.

Algumas instituições de ensino aplicam esse método de organização gradativamente, para que vire uma rotina para os estudantes. No Colégio GGE, por exemplo, desde o 9° ano do Ensino Fundamental, alunos e alunas são estimulados a disciplinar a rotina escolar; nos três anos do Ensino Médio, às portas do Enem e nas etapas do SSA da UPE, isso se torna ainda mais importante.

Um engano muito frequente de quem tenta organizar uma rotina de atividades é não distribuir bem o tempo. “Não descansar para assistir às aulas no dia seguinte e preferir usar parte da madrugada para adiantar o assunto é um erro”, diz a psicóloga do GGE, Emanuela Freire. Afinal, ela explica, estudantes não precisam apenas estudar muito, mas ter qualidade no tempo dedicado. “É preciso aprender enquanto se está estudando”, orienta.

Leia também:

> Inep divulga cartão de confirmação com local de prova do Enem 2020
> #AdiaEnem pede mudança na data da prova: assunto repercute nas redes sociais
> Candidatos com suspeita de Covid-19 podem pedir reaplicação da prova do Enem
> Confira quais são os documentos válidos para identificação no Enem
> Veja dicas de História Geral e do Brasil para a prova do Enem
> Na prova de Linguagens e Códigos, no Enem, interpretação é chave
> Inep publica nova cartilha para redação do Enem; confira

Planejando mais qualidade

Judá Porfiro foi aluno do GGE durante todo o Ensino Médio e seu objetivo maior no 3° ano era “tirar a maior nota possível para ter liberdade de escolha do curso”. Liberdade, aliás, era o que impedia Judá de aplicar um planejamento de estudos ao longo dos três anos de GGE: e ele percebeu que a lógica precisava ser invertida.

Assim, quanto mais organizada passou a ser a rotina de Judá, mais tempo livre ele passou a ter. “Eu não pretendia fazer nenhum plano de estudo, achava que não era algo para mim. Cheguei a fazer o primeiro e o segundo anos sem isso, mas no começo do terceiro, os professores começaram a ‘puxar mais’. Falaram sobre a importância do planejamento, e eu decidi fazer”, lembra.

“O plano de estudos fez o inverso do que eu esperava: me deu maior liberdade. Passei a não me preocupar tanto com as matérias que tinha que estudar, com o momento que as provas chegariam, se eu teria tempo para descansar, porque tudo fluía melhor com a nova organização do tempo”, conta Judá, que foi orientado pela escola, mas optou por construir seu planejamento sozinho. [link autonomia]

Já a aluna Aline Soares, no GGE desde 2017, achou a ideia do planejamento boa desde o início. Antes, ela não conhecia a ferramenta que passou a ser sua aliada e garantiu um uso inteligente do tempo. Aline conta que gosta do método porque consegue organizar o que precisa ser visto e chega ao fim da semana com essa dimensão mais concreta.

“Com a minha coordenadora, resolvi fazer um plano de estudo mais sério no terceiro ano, que é um ano revisional, que precisava ser completo. Eu também tenho um planner, onde escrevo tudo o que preciso fazer. É muito mais fácil que chegar na última hora e tentar revisar tudo, sem saber por onde começar. Consigo estudar com calma, cumprir meus horários direito. Sei que o vestibular não é apenas saber conteúdo, é estar com o emocional tranquilo”, ensina Aline.

Psicólogas do GGE auxiliam na criação de um plano de estudo individualizado | Foto: JC360

Formulando um plano

Ao início de cada ano, a equipe do Serviço de Orientação Educacional e Psicológica (SOEP) do GGE organiza horários de estudo com os alunos. Costumam dizer que, nesse início, o que se cria é um “piloto”, que será adaptado e melhorado ao longo do ano.

Depois disso, cada aluno tem autonomia para seguir colocando em prática o planejamento. A equipe de psicologia permanece à disposição para pedidos de ajuda, mas também monitora o desempenho através das notas.

Emanuela lembra que, ao criar a sua rotina, é preciso levar em conta os objetivos que precisam ser cumpridos, em quanto tempo, e qual o período que consegue se concentrar. “É também importante levar em consideração sua realidade em casa e encaixar nesse planejamento tempo para alimentar-se com calma, fazer exercícios, fazer pausas e dormir bem”, finaliza.